top of page
Design sem nome (9)_Easy-Resize.com.jpg

Intradermoterapia Capilar

A intradermoterapia capilar é usada para o tratamento de vários tipos de alopécias e queda de cabelo.

A intradermoterapia, também conhecida como mesoterapia capilar, consiste na aplicação de substâncias (medicamentos, vitaminas e oligoelementos) diretamente no couro cabeludo. Trata-se de um procedimento médico minimamente invasivo muito realizado no consultório para controlar a queda, aumentar a nutrição, estimular circulação sanguínea, reativar estruturas do sistema capilar, visando repilar áreas afetadas pela calvície e incentivar o crescimento de novos fios.

A injeção do medicamento no couro cabeludo permite a que absorção seja localizada, atuando diretamente na área afetada, portanto, apresenta pouca ou nenhuma absorção sistêmica. Isso significa que a medicação vai atuar diretamente no problema, com uma concentração elevada apenas onde queremos que ela atue, com menor risco de efeitos colaterais do que se tomada por via oral pois a medicação cheguara no folículo para tratar o problema. Quando tomamos as medicações por via oral grande parte dela pode não ser absorvida ou não chega na dose que desejamos para um tratamento eficaz.

A injeção deve ser feita por um medico tricologista pois conhece bem a anatomia do couro cabeludo e folículo piloso e sabe onde esta medicação deve ser colocada para uma melhor absorção pelo bulbo, garantindo assim, uma melhor eficácia do tratamento.

Para quem e quais casos a intradermoterapia é indicada?

Indicada para homens e mulheres com quadro de:

  • Alopecia androgenética

  • Alopecia areata

  • Queda de cabelo

  • Estímulo do crescimento

  • Alopecia Fibrosante Frontal

  • Líquen plano pilar

A intradermoterapia capilar só deve ser feita em consultório e, somente após o diagnóstico correto, o profissional escolhe a combinação de medicamentos mais eficaz para ser aplicada em casa caso, conforme o objetivo final do tratamento.

Qual o intervalo entre as sessões de intradermoterapia capilar?

 

As aplicações podem ter intervalos semanais, quinzenais, mensais ou trimestrais. Esse intervalo é decidido de acordo com a necessidade do paciente, tipo de alopecia e medicamento utilizado na aplicação.

Quais os medicamentos usados?

É utilizado uma mistura de várias substâncias, vale ressaltar que o tratamento é individualizado e varia de um paciente para o outro, inclusive varia de uma semana para a outra no mesmo paciente. Por exemplo, esta semana uso determinada medicação que pode não ser necessária na próxima vez que o paciente realizar o tratamento.

Algumas das medicações mais utilizadas e seus principais efeitos:

Finasterida ou Dutasterida: indicada para o tratamento da alopecia androgenética, ele bloqueia uma enzima responsável por transformar a testosterona em diidrotestosterona, que é quem causa o afinamento dos fios.

Minoxidil que é substancia vasodilatadora e prolonga a fase de crescimento do fio.

Zinco, magnésio, cobre e selênio: oligoelementos essenciais para formar um fio forte, saudável e bem aderido ao couro cabeludo, evitando a queda e quebra.

Biotina, Tiamina, Piridoxina, Riboflavina, Vitamina A, Ácido ascórbico: que são vitaminas que ajudam melhorando a função do bulbo (região do folículo que produz o fio de cabelo).

O procedimento é doloroso?

Cada paciente tem um limiar de dor, em geral, o procedimento é bem tolerado pela grande maioria dos pacientes. Além de usarmos uma agulha bem fininha, podemos utilizar anestésico de 3 formas: via tópica (com um spray anestésico utilizado 30 a 40 minutos antes do procedimento), injetável antes do procedimento em locais específicos bloqueando determinada área ou misturado na própria mescla, junto com os demais medicamentos.

O procedimento é tão tranquilo que tem pacientes que não necessitam de nenhuma destas três formas de anestesia.

 

Posso massagear a área tratada?

O ideal é não o massagear a área tratada, pois injetamos o medicamento próximo ao bulbo (local onde é produzido a haste capilar) e queremos que esta medicação fique por pelo maior tempo possível em contato com esta área do folículo, Portanto, a massagem pode acabar dispersando mais facilmente esta medicação, fazendo com que ela seja metabolizada mais rapidamente, ficando por menos tempo em contato com o bulbo.

Posso lavar os cabelos após a aplicação?

Não há contraindicação em lavar os cabelos antes ou após o tratamento. Deve-se evitar massagem vigorosa durante a lavagem pelo mesmo motivo citado acima. O secador também deve ser usado com cautela pois a temperatura elevada pode dispersar a medicação ou diminuir o efeito da mesma.

bottom of page